• Redação Portal do Povo

O corpo humano tem mais de 96 mil km de vasos sanguíneos.

O coração de um homem adulto, na casa dos 40 anos, pesa em torno de 300 gramas, com cerca de 15 centímetros de comprimento e, em seu ponto mais largo, 10 centímetos de largura. Com cor castanha avermelhada, o coração humano é, na verdade, uma poderosa bomba de quatro câmaras, encarregada de levar e tirar o sangue dos pulmões para encaminhá-lo ao resto do corpo.

Diariamente, um coração bombeia sangue através de 96 mil quilômetros de vasos sanguíneos. Aos 45 anos, um coração já bombeou 300 mil toneladas de sangue.


O músculo do coração é exigido, diariamente, duas vezes mais que os músculos das pernas de um corredor ou que os músculos dos braços de um campeão de halterofilismo. No corpo humano, o único músculo que se compara em resistência ao do coração é o uterino, quando expele a criança na hora do parto. Mas este não trabalha dia e noite durante cerca de 70 anos, numa estimativa média de vida. O coração só descansa – ‘‘em termos’’ – quando a pessoa dorme. Nesta hora, a grande parte dos vasos sanguíneos permanece inativa e o sangue não precisa circular tão intensamente, caindo o ritmo normal de 72 pulsações por minuto para 55 por minuto.

Embora represente apenas 1/200 do peso do corpo, o coração precisa de cerca de 1/20 do volume de sangue para ‘‘alimentar-se’’, um consumo 10 vezes maior do que outros órgãos. E embora o sangue passe por suas quatro câmaras, o alimento chega até ele através de duas artérias coronárias, que se bifurcam em pequenos vasos como canudos de refrescos. Estes são os seus ‘‘pontos fracos’’. Os males que passam por ali são as maiores causas de morte nos países ocidentais.


Desde a juventude, depósitos de gordura se formam nas coronárias. Com a má alimentação, estes depósitos podem aumentar e fechar uma artéria, ou então formar um coágulo que a feche subitamente. Quando uma artéria se fecha, a porção do músculo do coração que é alimentado por ela morre.


O excesso de peso, a hipertensão, o fumo, o álcool, o sedentarismo e o estresse agravam a situação das coronárias. Cada quilo de excesso de gordura representa aproximadamente 700 quilômetros de vasos sanguíneos a mais, que precisam ser irrigados por sangue, elevando a pressão arterial.


Fonte: Seleções do Reader’s Digest, 1967