• Gazeta News

Marcelo Belinati não quer abrir as igrejas em Londrina.


VERGONHA LONDRINA


Depois de virar as costas para o povo, Marcelo Belinati, vira as costas para Deus.


A realidade Londrinense é de reabertura das atividades econômicas e essenciais a prestações, onde o Prefeito visa fazer lives se promovendo. Devido a um dos períodos mais tristes da saúde Pública por conta do Covid19, o popular coronavírus, que esta trazendo graves consequências para todo o mundo.


IGREJA É ATIVIDADE ESSENCIAL

É importante sobrepesar que não existe um prazo para que esta realidade seja mudada, tornando a necessidade das Igrejas cada vez mais presente para uma população que carece de orientação espiritual, psicológica, bem como social. Afinal, a igreja é quem tem desempenhado o papel de assistencialismo as famílias que não tem onde tirar o sustento ou a alimentação. Campanhas promovidas por todas as igrejas e templos tem garantido a ajuda que o CRAS não tem fornecido a quem mais precisa.


A retomada acontece onde foi adotada a medida provisória do presidente Jair Bolsonaro que incluiu cultos e missas na lista de atividades essenciais.


Vale ressaltar, a importância das atividades religiosas na cultuação da fé, contenção do pânico generalizado, manutenção do espírito. Todos os credos religiosos merecem respeito, pois são a força que mantém perseverante toda uma população que teve sua vida drasticamente modificada.


Para evitar aglomeração, os fiéis devem se manter a 2 metros de distância entre si e apenas 30% da capacidade da igreja está sendo ocupada. Não é admitido o ingresso de pessoas de grupo de risco, com mais de 60 anos ou menores de 12 anos.


BOLSONARO INSERE ATIVIDADE RELIGIOSA COMO ESSENCIAL


No dia 25 de Março de 2020, por meio do decreto 10.292/20, o presidente Bolsonaro modificou o decreto 10.282/20 e inseriu atividades religiosas de qualquer natureza como atividades essenciais.


Agora considerados essenciais, os templos religiosos e as lotéricas poderão funcionar mesmo durante períodos de restrição ou quarentena. Acatando as devidas normas da Organização Mundial de Saúde (OMS), para contenção e higienização assim como fazem todos os comércios ditos como essencial, respeitando as regras de distanciamento e o tempo adequados.