• Redação Portal do Povo

GAECO e PF invadem escritório de aliado e o principal doador da campanha de Marcelo Belinati


Ricardo Barros Presidente do PP mesmo partido do Prefeito de Londrina, doou 500 mil da JBS para a campanha de Marcelo Belinati, o deputado com um grande histórico de envolvimento em corrupção pode ter mandado de prisão expedido a qualquer momento.


O Ministério Público do Paraná (MP-PR) cumpre um mandado judicial de busca e apreensão no escritório do deputado federal Ricardo Barros (PP), em Maringá, no norte do Paraná, na manhã desta quarta-feira (16).


A ação é realizada pelo do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP e conta com a ajuda da ajuda da Polícia Civil.


Além do escritório de Barros, há um mandado de busca em São Paulo.


Ricardo Barros, que já foi prefeito de Maringá, foi o coordenador das campanhas de Marcelo Belinati e é o principal investidor financeiro do Prefeito de Londrina.



CONEXÃO MARINGÁ - LONDRINA: Barros financia Belinati em Londrina...



Matéria da Folha de S. Paulo revela que o ministro Ricardo Barros, através do PP, está financiando vários candidatos a prefeito no Paraná, entre eles, Marcelo Belinati em Londrina com R$ 500 mil.

Postulantes a prefeito e vereador no Estado receberam, até agora, R$ 2,2 milhões em doações do diretório nacional do partido, do qual Barros é tesoureiro licenciado.

O valor corresponde a quase 25% de todas as doações feitas pelo PP até aqui, segundo levantamento da Folha de S. Paulo em dados entregues ao TSE.

É o Estado que mais recebeu verbas da sigla, à frente de importantes colégios eleitorais como São Paulo, Minas Gerais e Bahia –que têm, inclusive, uma bancada maior que a do Paraná.

Entre os principais contemplados estão a filha do ministro, a deputada Maria Victória, que concorre à Prefeitura de Curitiba; Marcelo Belinati, candidato a prefeito em Londrina; e Silvio Barros, irmão do ministro e favorito à Prefeitura de Maringá.

Os três são do PP, mas o dinheiro do partido, oriundo do fundo partidário e de doações ao diretório nacional, foi distribuído a políticos de dez diferentes siglas no Paraná –todos aliados do ex ministro.