• Gazeta News

Após 13 anos, envolvidos em aborto vão a júri popular.


Foto: ilustrativa


Dois homens vão a júri popular nesta terça-feira (03), em Londrina, acusados de terem provocado um aborto. Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), o comerciante Fernando Antônio Burgo e o médico Anderson George Marcelino teriam provocado um aborto em Brenda Saloá Emídio, que tinha 18 anos na época em que tudo aconteceu.  


Segundo as investigações no final de 2005, Brenda engravidou de Burgo que manifestou a vontade de que a jovem abortasse já ao saber da notícia. Ele era casado, mas a adolescente se negou. No início de 2006, quando ela estava no terceiro mês de gravidez, Fernando acompanhou Brenda ao consultório para o pré-natal. Durante a consulta, o médico, Anderson George, teria introduzido dois comprimidos abortivos, na moça. Segundo o Ministério Público, tudo teria sido combinado anteriormente entre Anderson e Fernando.


Brenda perdeu o bebê dois dias após a consulta. Anderson George Marcelino e Fernando Antônio Burgo foram denunciados pelo crime de aborto provocado por terceiro sem consentimento. Caso sejam condenados podem pegar de três a 10 anos de prisão. Os dois aguardaram o julgamento em liberdade. 


Segundo o Conselho Regional de Medicina do Paraná, Anderson teve o registro profissional cassado e está impedido de exercer a medicina desde 2016.  


Fonte: Tarobá News